Diagram

É bem provável que você já tenha ouvido falar de mapas mentais e seus benefícios tanto nos estudos e memorização, quanto no desenvolvimento de ideias e apresentações.

O uso de mapas mentais tem crescido bastante em popularidade nos últimos anos. Por isso, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre mapas mentais, incluindo o que são e como fazê-los. Ao final, incluiremos exemplos e modelos editáveis para facilitar a criação de seus mapas mentais.

Leitura de 10 min

Quer criar seu próprio mapa mental? Experimente o Lucidchart. É rápido, fácil e completamente gratuito.

ou
Google MarkCadastre-se usando Google

Ao cadastrar-me, eu concordo com os Termos de serviço e Política de privacidade do Lucid Software.

O que é um mapa mental?

Um mapa mental é um tipo de diagrama que ajuda a explicar conceitos complicados de maneira simples e objetiva. É bem simples de fazer: um mapa mental leva a ideia principal no centro e, a partir daí, se ramifica com os conceitos relacionados. Essa estrutura facilita na hora de fazer anotações em sala de aula e reuniões de trabalho, melhora a retenção da matéria estudada e ajuda na geração de ideias (brainstorming).

Um mapa mental pode ser simples ou complexo e pode ser feito à mão ou no computador. Dependendo do seu objetivo e tempo disponível, um mapa mental pode incluir elementos decorativos como fotos, desenhos e cores para facilitar a sua compreensão.

Na hora de fazer anotações em tempo real ou gerar ideias (brainstorming), um mapa mental pode mostrar, de forma rápida e prática, como os conceitos se relacionam a partir de um tema central. Muitas vezes, podemos expressar ideias mais complexas em apenas uma a três palavras. Está aí uma das grandes vantagens de usar a metodologia de mapas mentais em atividades do cotidiano. Entraremos em mais detalhes sobre as vantagens de se usar mapas mentais, mais abaixo.

Uma plataforma online como o Lucidchart permite que a criação de um mapa mental ocorra de forma intuitiva, com itens sendo redimensionados e reorganizados automaticamente. O diagrama pode se tornar mais artístico, útil e impactante com as opções de formatação presentes num programa de fazer mapas mentais, quando comparado a um mapa mental feito à mão.

Como fazer um mapa mental

Há duas maneiras de se fazer um mapa mental. A primeira é fazer à mão mesmo, com lápis e papel. A vantagem é que todo mundo tem lápis e papel quase sempre à mão. Porém, fica difícil fazer alterações à medida que seu diagrama se desenvolve e você deseja trocar a ordem de alguns conceitos, ou quando seu diagrama cresce demais e passa de uma página.

A segunda maneira, é utilizando um programa de fazer mapas mentais, como o Lucidchart, que funciona online no computador e em aplicativos de celular para Android e iOS. A vantagem deste método é a facilidade na hora de modificar o diagrama, como quando você precisa apagar ou acrescentar novas ideias, ou quando deseja alterar a formatação e cores de seu mapa mental. Além disso, à medida que seu mapa mental cresce, a sua tela de desenho se expande automaticamente para fazer seu diagrama caber na página. Há ainda, a possibilidade de colaborar com colegas de classe ou trabalho na criação de um mesmo mapa mental em tempo real.

Você pode escolher qual método for melhor para a sua situação. Nós recomendamos usar o Lucidchart, um programa online para a criação de mapas mentais e outros diagramas. Por isso, vamos explicar, passo a passo, os conceitos gerais de como fazer um mapa mental, assim como as instruções específicas para fazê-lo no software de mapas mentais do Lucidchart.

  1. Defina o conceito central

    Primeiro determine e anote o objetivo principal do seu mapa mental. Como os mapas mentais começam por dentro e se expandem para fora, sua ideia principal se tornará o tema central do diagrama. O conceito principal pode ser um tópico mais geral ou algo mais específico. Pense em:

    • Um problema que você está tentando resolver
    • O projeto que está em debate
    • Um conceito difícil que você está tentando estudar

    Digamos que você queira fazer um mapa mental sobre pinturas do Renascimento para estudar para uma prova. Neste caso, pinturas do Renascimento seria o conceito principal, já que ele é o foco do diagrama. Coloque o conceito principal no centro da sua página.

    No Lucidchart, é só arrastar uma forma de mapas mentais para a tela de desenho.

  2. Adicione ramificações ao conceito principal

    Agora que você determinou o tópico principal do mapa mental, adicione ramificações que descrevam os subtópicos mais básicos. As ramificações devem ajudá-lo a começar a organizar as informações. Não se preocupe em incluir muitos detalhes; palavras-chave e frases curtas serão mais do que suficientes.

    No caso do nosso mapa mental sobre as pinturas do Renascimento, os principais subtópicos seriam os pintores. Mais detalhes sobre essas ramificações iniciais serão incluídos à medida que continuarmos a adicionar ramificações.

    No Lucidchart, basta selecionar uma forma e apertar tab para criar um subtópico, ou arrastar uma linha a partir de uma das formas de seu diagrama.

  3. Explore os temas, adicionando mais ramificações

    Depois de identificar os principais assuntos em seu tópico, adicione mais formas até não ter mais informações importantes. Continue a organizar suas informações com as coisas mais importantes posicionadas mais perto da forma do conceito principal, e os detalhes mais específicos posicionados mais distantes.

  4. Adicione imagens e cores

    Mantenha a organização dentro do seu mapa mental usando cores diferentes para cada nível ou assunto de seu mapa mental. Se estiver usando o Lucidchart, as cores serão gerenciadas para você. Além disso, o uso de imagens ajudará a visualizar e a memorizar as várias partes do mapa mental.

    Aí está mais uma vantagem de se fazer um mapa mental no Lucidchart, ao invés de fazer à mão: você pode adicionar imagens e trocar as cores com facilidade. Esses elementos visuais são exatamente o que ajudam nossos cérebros a entender e memorizar melhor os conceitos, quando comparados a textos.

O método mais rápido de fazer um mapa mental

Para agilizar o processo, o Lucidchart é capaz de fazer um mapa mental automaticamente a partir de uma lista de conceitos. Assim, você pode transformar listinhas de estudo ou anotações de reuniões do trabalho em um diagrama de fácil compreensão.

Para criar um mapa mental automaticamente, siga estes passos:

  1. Clique em “Importar”, dentro do menu de formas para mapas mentais na barra de ferramentas à esquerda.
  2. Cole ou importe sua lista de conceitos usando a tecla tab para indentar (aumentar a margem) os subtópicos de cada tópico. Aprenda mais sobre esta função aqui.
  3. Selecione o estilo das formas para o seu mapa mental (ex.: retângulo, círculo, nuvem, etc.).
  4. Clique em “Importar mapa mental”.

Diagramar é rápido e fácil com o Lucidchart. Faça uma avaliação gratuita hoje mesmo para começar a criar e colaborar.

ou
Google MarkCadastre-se usando Google

Ao cadastrar-me, eu concordo com os Termos de serviço e Política de privacidade do Lucid Software.

Um pouco de história: a origem dos mapas mentais

Tony Buzan, autor britânico e personalidade de TV, popularizou o termo “mapa mental” na década de 1970 em sua série de TV da BBC “Use Your Head” (Use sua cabeça, em tradução livre), e em seus livros, como “Mapas Mentais no Trabalho” e “Mapas Mentais Para Os Negócios.”. No entanto, o conceito de mapear ideias visualmente surgiu bem antes.

Acredita-se que Porfírio de Tiro, filósofo do século três na Grécia e em Roma, fez o mapeamento visual das Categorias de Aristóteles. Sua invenção, a Árvore de Porfírio, não incluía ilustrações, mas outros pensadores acrescentaram-as posteriormente. No século XIII, o filósofo Raimundo Lúlio também usou este tipo de diagrama, incluindo uma Árvore de Porfírio ilustrada.

Ao longo da história, muitos pensadores famosos e inovadores utilizavam anotações orgânicas e curvas, muitas vezes incluindo desenhos e rabiscos. São estes Leonardo da Vinci, Michelangelo, Albert Einstein, Marie Curie, Thomas Edison e Mark Twain.

Na década de 1950 surgiu a rede semântica, uma teoria de como as pessoas aprendem e as relações semânticas entre os conceitos. Na década de 1960, a teoria foi desenvolvida por Allan M. Collins e M. Ross Quillian. Na década de 1970, especialistas de aprendizagem desenvolveram mapas conceituais, que possuem uma estrutura diferente, não estando organizados em torno de um conceito ao centro, como mapas mentais. Enquanto isso, Buzan disse que sua abordagem ao mapa mental foi inspirada pela semântica geral de Alfred Korzybski, popularizada por escritores de ficção científica como Robert A. Heinlein e A.E. van Vogt. Buzan disse que as pessoas absorvem informações de uma forma não linear, nem sempre da esquerda para a direita e de cima para baixo, e mapas mentais refletem isso.

Outros conceitos relacionados a mapas mentais incluem:

  • Mapas conceituais: são como mapas mentais na vertical, ao invés de circulares. Veja este vídeo para aprender mais sobre mapas conceituais.

  • Gráfico Sunburst: um gráfico de pizza multinível, também chamado um diagrama de anel.

  • Diagrama de aranha: uma extensão de diagramas de Venn e diagramas de Euler. Um diagrama de aranha acrescenta pontos aos acima e, juntos, parecem a forma de uma aranha.

  • Mnemônica: uma técnica de memorização para melhorar a aprendizagem. Mnemônicas assumem muitas formas, como siglas, sinais visuais e sons.

  • Diagrama de linguagem de modelagem unificada (UML): um diagrama usado para visualizar o design de um sistema na engenharia de software.

As vantagens dos mapas mentais

Sabe quando você está fazendo uma prova e não lembra da resposta, mas consegue lembrar até em que parte da página do livro estava o parágrafo com a resposta. É muito frustrante! Isso acontece porque nossas mentes tendem a preferir conteúdo visual e não linear a texto. O posicionamento estratégico das informações facilita a aprendizagem e memorização. É esse conceito que torna um mapa mental numa ferramenta poderosa.

Diversos estudos apontam que mapas mentais podem promover uma melhor retenção de informação, devido à natureza visual desses diagramas. Tony Buzan diz que a retenção aumenta ainda mais por meio do uso de imagens, linhas curvas, cores intencionais e poucas palavras. Segue uma amostra dos estudos:

  • Em um estudo de 2005 por Glennis Edge Cunningham, 80% dos alunos de biologia do ensino médio que participaram no estudo relataram uma melhor aprendizagem ao usar mapas mentais.

  • Em um estudo de 2002 por Paul Farrand, Fearzana Hussain e Enid Hennessy, estudantes de medicina do segundo e terceiro ano mostraram melhor retenção de conteúdo, embora a eficácia dependesse do método de anotação preferido dos alunos.

  • Em um estudo de 2006 de A.V. D'Antoni e G.P. Zipp, estudantes de quiropraxia mostraram aumento na aprendizagem, por meio de mapas mentais.

Usos criativos para mapas mentais

  • Geração de ideias (brainstorming): os mapas mentais são ideais para debater as ideias em torno de um conceito. Ajuda a concentrar os pensamentos, dando origem a novas ideias e mostrando como elas se relacionam entre si. Indivíduos ou equipes podem usá-los para liberar a criatividade, sem sair do tópico em questão, evitando assim distrações.

  • Anotações: estudantes ou profissionais de negócios podem desenhar mapas mentais para captar e organizar as ideias de palestras, aulas, apresentações, reuniões ou sessões de brainstorming, usando poucas palavras.

  • Estudo e revisão: muitas pesquisas têm demonstrado melhoria na memória e aumento na retenção do conteúdo ao usar mapas mentais. Mesmo que você não tenha iniciado o processo com um mapa mental, você pode criar um a partir de suas anotações e resumos para melhor compreender e interpretar o material.

  • Tomada de decisão: o mapeamento pode ajudar você a pensar sobre os fatores relacionados a um problema para chegar a uma boa decisão.

  • Apresentação: os mapas mentais ajudam a apresentar ideias com mais impacto visual. Eles podem ser inseridos facilmente em programas como PowerPoint, Word, Excel e no G Suite.

  • Desenvolvimento pessoal: reflita sobre uma meta pessoal ou de carreira, resolva um problema ou planeje seu futuro ao organizar suas ideias em um mapa mental pessoal.

  • Criatividade: planeje uma narrativa, supere bloqueios criativos e abra a mente à novas ideias em qualquer empreendimento criativo.

  • Planejamento: planeje um evento, reunião ou projeto com mapas mentais.

  • Precursor para outra diagramação: mapas mentais podem ser usados nas fases iniciais de um projeto para fins de organização e foco. Posteriormente, as informações podem ser apresentadas de forma mais eficaz com outros tipos de diagramas mais complexos e especializados, dependendo da finalidade e natureza do projeto.

  • Infográfico: mapas mentais bem organizados e com bom conteúdo podem fazer parte de infográficos para ajudar a divulgar informação e dados com poucas palavras e de maneira visual.


Quer criar seu próprio mapa mental? Experimente o Lucidchart. É rápido, fácil e completamente gratuito.