O que é mapa mental e como fazer


Aprenda os fundamentos dos mapas mentais, incluindo sua história, o que a pesquisa diz sobre eles, como são usados e como desenhar um.

Quer criar seus próprios diagramas? Experimente o Lucidchart, é rápido, fácil e gratuito.

Significado de mapa mental

Um mapa mental é uma representação livre de pensamentos que se ramificam a partir de um conceito central. A organização visual do diagrama promove o brainstorming de ideias, a tomada eficiente de notas, maior retenção de conceitos e uma apresentação impactante. Mapas mentais variam de simples a elaborados, e podem ser desenhados à mão ou no computador. Dependendo do seu objetivo e tempo, o mapa mental pode incluir elementos intencionais e artísticos, como fotos, desenhos, linhas curvas de espessura variável e diversas cores.

Em casos de anotações em tempo real ou brainstorming, o mapa mental pode mostrar, de forma rápida e prática, como ideias – muitas vezes expressas em apenas uma a três palavras – irradiam a partir de um tema central. Uma plataforma como o Lucidchart permite que isso ocorra de forma intuitiva, com itens sendo redimensionados e reorganizados automaticamente. Com o tempo, o diagrama pode se tornar mais artístico, poderoso e impactante. Pode até se tornar arte. Outros termos para mapas mentais são mapas de ideias, diagramas de spray e árvores radiais.

Origem

Tony Buzan, autor britânico e personalidade de TV, popularizou o termo “mapa mental” na década de 1970 em sua série de TV da BBC “Use Your Head”(Use sua cabeça, em tradução livre), e em seus livros, como “Mind Mapping for Smarter Thinking”. No entanto, o conceito de mapear ideias visualmente surgiu bem antes.

   

Acredita-se que Porfírio de Tiro, filósofo do século três na Grécia e em Roma, fez o mapeamento visual das Categorias de Aristóteles. Sua invenção, a Árvore de Porfírio, não incluía ilustrações, mas outros pensadores  acrescentaram-as posteriormente. No século XIII, o filósofo Raimundo Lúlio também usou este tipo de diagrama, incluindo uma Árvore de Porfírio ilustrada.

 

Ao longo da história, muitos pensadores famosos e inovadores utilizavam anotações orgânicas e curvas, muitas vezes incluindo desenhos e rabiscos. São estes Leonardo da Vinci, Michelangelo, Albert Einstein, Marie Curie, Thomas Edison e Mark Twain.

Na década de 1950 surgiu a rede semântica, uma teoria de como as pessoas aprendem e as relações semânticas entre os conceitos. Na década de 1960, a teoria foi desenvolvida por Allan M. Collins e M. Ross Quillian. Na década de 1970, especialistas de aprendizagem desenvolveram mapas conceituais, que possuem uma estrutura radial mas não estão organizados em torno de um conceito central, como mapas mentais. Enquanto isso, Buzan disse que sua abordagem ao mapa mental foi inspirada pela semântica geral de Alfred Korzybski, popularizada por escritores de ficção científica como Robert A. Heinlein e A.E. van Vogt. Buzan disse que as pessoas absorvem informações de uma forma não linear, nem sempre da esquerda para a direita e de cima para baixo, e mapas mentais refletem isso.

Conceitos relacionados incluem:

  • Gráfico Sunburst: um gráfico de pizza multinível, também chamado um diagrama de anel.
  • Diagrama de aranha: uma extensão de diagramas de Venn e diagramas de Euler. Um diagrama de aranha acrescenta pontos aos acima e, juntos, cria-se uma forma de aranha.
  • Mnemônica: um dispositivo de memória para melhorar a aprendizagem. Mnemônicas assumem muitas formas, como siglas, sinais visuais e sons.
  • Diagrama de linguagem de modelagem unificada (UML): um diagrama usado para visualizar o design do sistema na engenharia de software.

A pesquisa por trás dos mapas mentais

Diversos estudos apontam que mapas mentais podem promover uma melhor retenção de ideias e relações, dado o impacto visual do diagrama. Tony Buzan diz que a retenção aumenta ainda mais por meio do uso de imagens, linhas curvas, cores propositais e poucas palavras. Segue uma amostra dos estudos:

  • Em um estudo de 2005 por Glennis Edge Cunningham, 80% dos alunos de biologia do ensino médio do estudo relataram uma melhor aprendizagem ao usar mapas mentais.
  • Em um estudo de 2002 por Paul Farrand, Fearzana Hussain e Enid Hennessy, estudantes de medicina do segundo e terceiro ano mostraram melhor retenção de conteúdo, embora a eficácia dependesse do método de anotação preferido dos alunos.
  • Em um estudo de 2006 de A.V. D'Antoni e G.P. Zipp, estudantes de quiropraxia mostraram um aumento da aprendizagem.

Em outras pesquisas referentes a mapas mentais:

  • Em 2011, Joeran Beel e Stefan Langer estudaram o conteúdo de mapas mentais. Revelaram que a maioria dos usuários tinha criado poucos mapas (média de 2,7), o número médio de nós era pequeno (31) e o nó médio continha três palavras.
  • Claudine Brucks e Christoph Schommer publicaram um estudo de 2008 sobre a criação automática de mapas mentais a partir de textos completos. T. Rothenberger e colegas publicaram um relatório semelhante no mesmo ano.

Casos de uso versáteis

  • Em educação, negócios, ciência da computação ou praticamente qualquer campo: mapas mentais são tão versáteis e fáceis de criar que são amplamente utilizados na educação, no mundo dos negócios, na ciência da computação e em outras áreas.
  • Brainstorming: mapas mentais são ideais para debater ideias em torno de um conceito. Concentra-se o pensar, dando origem a outros pensamentos e mostrando como eles se relacionam entre si. Indivíduos ou equipes podem usá-los para liberar a criatividade, e ao mesmo tempo permanecer no caminho certo.
  • Anotações: estudantes ou profissionais de negócios podem desenhar mapas mentais para captar e organizar as ideias de palestras, apresentações, reuniões ou sessões de brainstorming. Para se ter mais detalhes, você pode adicionar notas além do gráfico por meio de um programa como o Lucidchart. Clique no ícone de notas para vê-las.
  • Estudo e análise: estudos têm demonstrado um aumento da retenção de memória ao usar mapas mentais. Mesmo que você não tenha iniciado o processo com um mapa mental, você pode criar um a partir de suas anotações para melhor compreender e interpretar o material.
  • Tomada de decisão: o mapeamento pode ajudar você a pensar sobre os fatores envolvidos para chegar a uma boa decisão.
  • Apresentação: mapas mentais podem apresentar ideias com impacto visual. São facilmente inseridos em programas como PowerPoint, Word, Excel e outros.
  • Desenvolvimento pessoal: reflita sobre uma meta pessoal ou de carreira, resolva um problema ou vislumbre seu futuro ao organizar suas ideias em um mapa mental.
  • Projetos criativos: planeje uma narrativa, supere bloqueios criativos e se abra a novas ideias em qualquer empreendimento criativo.
  • Planejamento: planeje um evento, reunião ou projeto com mapas mentais.
  • Precursor para outra diagramação: mapas mentais podem ser usados nas fases iniciais de um projeto para fins de organização e foco. Posteriormente, dados podem ser apresentados de forma mais eficaz com outros tipos de diagramas, dependendo da finalidade e natureza do projeto.
  • Arte: foram criados lindos mapas mentais, como obras de arte. Veja estes exemplos recentes.

Como desenhar um mapa mental

  1. Defina o seu conceito central em uma a três palavras e coloque-o no meio de sua página, desenhando em papel ou usando um software como o Lucidchart.
  2. Coloque suas ideias em torno do conceito como se fossem rótulos, com ou sem caixas, com linhas irradiando a partir de seu conceito central. Use rótulos curtos, até mesmo uma única palavra, e continue criando ramificações com cada nível de ideia.
  3. Vire a página para o formato horizontal (paisagem) para um espaçamento mais fácil e de ramificações.
  4. Use imagens, se elas se encaixam no seu tempo e meta. Fotos e ilustrações podem tornar o mapa mais memorável.
  5. Use cores diferentes para cada nível de ideia, criando uma organização visual. Se você estiver desenhando à mão, use canetas de cores ou uma única caneta multicor. Você também pode usar uma hierarquia de tamanhos de rótulos e espessuras de linha.
  6. Desenhe linhas curvas ou retas, o que for melhor para você. Alguns autores, como Buzan, dizem que linhas curvas são mais interessantes.
  7. Desenvolva seu estilo pessoal, baseado em como você desenha e pensa. Há poucas regras para criar mapas mentais.
  8. Comece simples se houver uma restrição de tempo, esteja você desenhando à mão ou no computador. Você pode acrescentar coisas depois. Com um aplicativo como o Lucidchart, você pode usar atalhos para criar facilmente seu mapa, com caixas e cores utilizadas de forma automática. Posteriormente, você pode acrescentar elementos artísticos, como imagens e linhas curvas.
  9. Colabore através do compartilhamento e edição do mapa mental on-line.

Saiba mais sobre como criar um mapa mental aqui