Diagram Illustration

Conteúdo

Este guia cobre tudo o que você precisa saber sobre mapas conceituais, de definições e funcionalidades importantes a casos de uso e histórico.

Conceito de mapa conceitual

Um mapa conceitual é um diagrama ou ferramenta gráfica que representa visualmente as relações entre conceitos e ideias. A maioria dos mapas conceituais descreve ideias, como caixas ou círculos (também chamados de nós), que são estruturados hierarquicamente e conectados com linhas ou setas (também chamados de arcos). Essas linhas são rotuladas com palavras e frases de ligação que ajudam a explicar as conexões entre os conceitos.

Principais características de mapas conceituais

Os mapas conceituais também são chamados de diagramas conceituais. Embora outros tipos de diagramas possam parecer semelhantes, os mapas conceituais têm características específicas que os diferenciam de outras ferramentas visuais.

Conceitos

Os conceitos são definidos como "regularidades ou padrões percebidos em eventos ou objetos, ou registros de eventos ou objetos, designados por um rótulo" e são representados como formas no diagrama.

Palavras/frases de ligação

Palavras ou frases de ligação estão localizadas nas linhas que conectam objetos em um mapa conceitual, e essas palavras descrevem a relação entre dois conceitos. Elas são tão concisas quanto possível e normalmente contêm um verbo. Exemplos incluem "causas", " "inclui" e "requer".

Estrutura proposicional

As proposições são declarações significativas constituídas por dois ou mais conceitos relacionados com palavras de ligação. Estas declarações também são conhecidas como unidades semânticas ou unidades de significado. Conceitos e proposições são a base para a criação de novos conhecimentos em um domínio. Essencialmente, um mapa conceitual transmite visualmente um conjunto de proposições sobre um determinado tópico.

Estrutura hierárquica

Um elemento-chave do mapa conceitual é sua estrutura hierárquica. Os conceitos mais gerais e inclusivos estão posicionados no topo de um mapa conceitual com os conceitos mais específicos e exclusivos organizados hierarquicamente abaixo. Como tal, um mapa conceitual é projetado para ler de cima para baixo.

Questão central

Uma questão central define a questão ou o problema que o mapa conceitual precisa resolver. Desenvolver uma questão central permite que você tenha um contexto em mente e, assim, ajude a orientar e a manter a direção do mapa conceitual. Dentro da estrutura hierárquica, a questão central deve estar no topo do mapa conceitual e servir como um ponto de referência.

Estacionamento

Antes de iniciar o mapa conceitual, pode ser útil elaborar uma lista que identifique os conceitos-chave que precisam ser incluídos. Estabeleça uma lista ordenada do conceito mais geral ao mais específico. Esta lista é chamada de estacionamento, pois você moverá os itens para o mapa à medida que descobrir onde eles se encaixam.  

Links cruzados

Os links cruzados são relações entre conceitos em diferentes domínios do mapa conceitual, permitindo que você visualize como as ideias dentro destes diferentes domínios estão interligadas. Tanto os links cruzados quanto a estrutura hierárquica facilitam o pensamento criativo, e os links cruzados muitas vezes indicam momentos de criatividade.

Para que serve um mapa conceitual?

O cérebro processa imagens 60.000 vezes mais rápido do que processa texto. Concebido como uma ferramenta para organizar e representar o conhecimento, o mapeamento de conceitos pode ajudar você a visualizar as relações entre vários conceitos e testar sua compreensão de assuntos complexos. Pensar e representar visualmente as relações entre as ideias cria conexões mentais que permitem uma melhor retenção do conhecimento. Este diagrama é uma forma popular de captar a compreensão de um tópico para o trabalho, escola ou estudo pessoal. É usado com mais frequência em ambientes acadêmicos, mas o processo pode ser facilmente aplicado a outros campos.

O mapeamento de conceitos oferece benefícios para qualquer processo de aprendizado:

  • Facilita a compreensão com seu formato visual
  • Sintetiza informações, integrando conceitos novos e antigos para melhor compreender a ideia geral
  • Incentiva discussões e pensamentos de alto nível
  • Fomenta a descoberta de novos conceitos e suas conexões
  • Oferece uma comunicação clara de ideias complexas
  • Promove o aprendizado colaborativo
  • Difunde a criatividade
  • Demonstra o seu conhecimento atual para avaliar a compreensão
  • Identifica áreas que precisam de mais conhecimento ou análise

Quando fazer um mapa conceitual

Os mapas conceituais são uma ferramenta de aprendizagem ideal para estudantes e educadores, independentemente de os contribuintes estarem matriculados na escola, ensinando ou tutorando uma disciplina, ou desenvolvendo novas habilidades por conta própria. O processo de conectar ideias em um espaço tangível pode solidificar seu conhecimento tópico, bem como esclarecer quais áreas precisam de um pouco mais de trabalho.

Fazer um mapa conceitual pode ser muito útil ao:

  • Apresentar visões gerais concisas sobre um campo
  • Absorver informações ao estudar para um exame
  • Avaliar a compreensão de um aluno sobre um determinado tema
  • Consolidar o conhecimento durante o processo de aprendizagem
  • Demonstrar um nível aceitável de compreensão sobre um tema
  • Definir o conhecimento que existe em sua cabeça, mas que não foi documentado formalmente

Exemplo de mapa conceitual

Os mapas conceituais são semelhantes a outros métodos de mapeamento por ligação de nós, como mapas de tópicos ou diagramas UML. No entanto, os mapas conceituais diferem devido à sua base filosófica, a qual sustenta que os conceitos e proposições são a base do novo conhecimento e significado.

Lembre-se de que os mapas conceituais não são a mesma coisa que os mapas mentais, embora sejam confundidos com frequência (veja abaixo mais detalhes). Os mapas conceituais não são a melhor ferramenta para visualizar novas ideias, organizar reuniões ou gerenciar tarefas e projetos. Você pode querer experimentar mapas mentais ou outro tipo de diagrama nesses casos.

Mapa mental x mapa conceitual

Muitas pessoas têm dificuldades para diferenciar mapas conceituais de mapas mentais. Veja como determinar se você está lidando com um mapa conceitual ou um mapa mental:

Mapas conceituais

  • São usados para representar o conhecimento tácito, como uma teoria ou conceito existente. As ideias geralmente são geradas externamente.
  • Tendem a representar o conhecimento acadêmico, de modo que sua aplicação é mais formal.
  • Contêm conhecimentos gerais próximo ao topo do mapa, com os conceitos relacionados organizados hierarquicamente abaixo.
  • Mostram tópicos com links cruzados e múltiplas relações.

Mapa Conceitual

Mapas mentais

  • São usados para desenvolver um conjunto de ideias, que são geradas internamente.
  • Tendem a representar uma maior variedade de tarefas e conceitos, por isso a sua aplicação é mais flexível.
  • Contêm uma única palavra, frase ou imagem no centro do mapa, com as ideias relacionadas irradiando para fora em todas as direções.
  • Mostram tópicos com um único item primário e vários secundários.

Mapas mentais

Mapa conceitual na aprendizagem

O mapeamento de conceitos pode ser uma ferramenta poderosa no mundo da educação, ajudando os alunos a atingir níveis cognitivos mais elevados e os professores a explicar assuntos complicados e a avaliar a compreensão dos alunos.

Os alunos podem usar o mapeamento conceitual para:

  • Organizar e estruturar novos materiais
  • Melhorar a aprendizagem relacionando conhecimentos novos e antigos
  • Mapear as relações entre coisas, como palavras de vocabulário, personagens de uma história, eventos na história etc.
  • Planejar/descrever projetos de escrita
  • Criar suas próprias representações de conhecimento
  • Discutir novas ideias
  • Fazer anotações
  • Criar guias de estudo
  • Criar estruturas complexas

Os professores podem usar o mapeamento conceitual para:

  • Planejar a grade curricular
  • Avaliar a compreensão ou diagnosticar mal-entendidos dos alunos
  • Explicar ideias complexas
  • Auxiliar leitores com dificuldades

À medida que os educadores incorporam mapas conceituais em suas metodologias de ensino, eles podem fornecer auxílios para ajudar a facilitar o processo para os alunos:

  • Dar uma pergunta de foco para incentivar o aprendizado.
  • Criar um estacionamento (lista de conceitos-chave) para ajudar os alunos a determinar o que incluir no mapa.
  • Fornecer mapas de esqueleto especializados para que os alunos tenham uma estrutura a seguir. Estes são pequenos mapas conceituais iniciados por um especialista sobre o tema e que podem ser expandidos pelos alunos.

Mapa conceitual de estacionamento Mapas conceituais são especialmente úteis como ferramentas de avaliação. Por exemplo, os instrutores podem fazer com que os alunos criem um mapa conceitual no início do semestre para avaliar o conhecimento existente. Os alunos então podem repetir essa atividade durante o semestre, para que tanto os alunos como os professores possam avaliar o que está sendo aprendido. Isso ajuda a avaliar a capacidade cognitiva, uma vez que decidir quais links cruzados são mais importantes para incluir exige um alto desempenho cognitivo. Esta atividade também pode ser usada para identificar e corrigir conceitos errôneos que os alunos possam ter.

Pesquisas indicam que os alunos que trabalham em pequenos grupos e que cooperam enquanto aprendem têm resultados cognitivos e afetivos positivos. O mapeamento conceitual possibilita este trabalho produtivo em pequenos grupos entre estudantes e professores em qualquer assunto.

Mapeamento conceitual para os negócios

Além de amplamente usados na educação, os mapas conceituais também se expandiram para o mundo dos negócios. Os mapas conceituais comunicam muito bem as ideias e incentivam o pensamento visual intuitivo que ajuda a analisar os negócios. O mapeamento de conceitos é um processo grupal, tornando-o uma atividade ideal para equipes ou grupos de partes interessadas, especialmente quando se trata de resolver problemas, seja em marketing, criação de novos produtos ou administração. Eles permitem que todos os membros da organização avaliem onde estão atualmente e onde gostariam de chegar, e eles podem ser facilmente feitos e mantidos por qualquer pessoa, mesmo por usuários não técnicos.

Os mapas conceituais trazem uma abordagem criativa e orientada para os resultados, conhecida como pensamento de concepção para os negócios. Dentro desta abordagem, os mapas conceituais podem ser usados para inspiração, idealização e implementação. Estes diagramas são excelentes narradores, ajudando nas fases de idealização e inspiração. Quando chega a hora da implementação, os mapas conceituais ajudam com a instrução, documentação e comunicação.

Os especialistas dentro de uma empresa têm uma riqueza de conhecimentos que foi compilada ao longo dos anos, mas podem não ser capazes de comunicá-los de forma precisa aos outros. Nonaka e Takeuchi destacam a importância de documentar o conhecimento de um especialista corporativo para se tornar "a empresa criadora de conhecimento". O uso de mapas conceituais para registrar essas valiosas informações está cada vez mais frequente na prática.

O mapeamento conceitual pode servir para uma grande diversidade de propósitos em uma organização comercial:

  • Promover a compreensão das necessidades empresariais em toda a empresa
  • Detectar lacunas e contradições
  • Identificar relações complexas entre ideias
  • Aprender a "linguagem" de um cliente
  • Estabelecer uma linguagem consistente para um projeto
  • Identificar potenciais dependências de requisitos
  • Modelar fluxos de inventário, fluxos de caixa, fluxos de relações etc.
  • Desenvolvimento de produtos
  • Análise de mercado
  • Tomada de decisões
  • Formular projetos de pesquisa
  • Mapear o conhecimento da equipe
  • Arquivar o conhecimento de especialistas
  • Criar uma visão compartilhada dentro de uma equipe ou organização
  • Gerar organizadores avançados
  • Treinar novos colaboradores
  • Criação de software
  • Construção de ontologia

Mapeamento de conceitos para a saúde

Dentro do setor de saúde, o mapeamento conceitual permite priorizar ideias, avaliar o consenso, identificar lacunas e criar planos de ação aprimorados. Ele permite que as diversas partes interessadas de uma organização se reúnam e formulem planos eficazes, pois a equipe médica é capaz de criar uma representação compartilhada da condição e situação do paciente e determinar os próximos passos apropriados.

As aplicações do mapeamento conceitual dentro da saúde incluem:

  • Organização de cargas de trabalho
  • Priorização de atribuição de pacientes
  • Pensamento crítico em avaliações anormais
  • Mapeamento de planos de tratamento
  • Identificação das relações entre os sintomas
  • Revelação de diagnóstico
  • Treinamento da equipe médica

Mapa conceitual para a saúde

História do mapeamento conceitual

O mapeamento conceitual como um método foi desenvolvido por Joseph Novak e uma equipe de pesquisadores na Universidade de Cornell na década de 1970. O Dr. Novak estava à procura de uma nova ferramenta para descrever mudanças explícitas na compreensão conceitual das crianças.

Tanto ele quanto seus colegas da Cornell haviam estudado as teorias do psicólogo Jean Piaget sobre os estágios cognitivos operacionais. Piaget e outros especialistas presumiram que as crianças não eram capazes de compreender conceitos abstratos, como a natureza da matéria, antes dos 11 anos de idade. O Dr. Novak decidiu lançar um projeto de pesquisa que observaria pequenas mudanças na forma como as crianças aprendiam novas ideias. Ele se inspirou em uma teoria de David Ausubel, um proponente das teorias de Piaget. Ausubel escreveu,

"Se eu tivesse que resumir toda a psicologia educacional em apenas um princípio, eu diria isso: o fator mais importante que influencia a aprendizagem é o que o aluno já sabe. Consiga isso e o ensine adequadamente" (Ausubel, 1968, p. vi)

Com essa ideia como guia, a equipe de Cornell desenvolveu uma nova ferramenta durante seu estudo longitudinal: o mapa conceitual. Esses mapas eram simples - apenas uma ou duas palavras para representar a ideia principal, e linhas mostrando palavras de ligação que criavam uma declaração significativa. Os conceitos mais gerais foram agrupados no topo do mapa e os mais específicos no fundo. Novak ensinou os alunos a construir mapas conceituais para demonstrar seus conhecimentos em questões centrais, como "O que é água".

A equipe da pesquisa explicou,

"Descobrimos que a transcrição de uma entrevista de 15 ou 20 páginas poderia ser convertida em um mapa conceitual de uma página sem perder o conceito essencial e os significados proposicionais expressos pelo entrevistado. Logo percebemos que essa era uma ferramenta de representação de conhecimento muito poderosa e concisa, uma ferramenta que mudou nosso programa de pesquisa a partir daquele momento".

Desde 1972, o mapeamento conceitual se tornou extremamente popular, pois especialistas em diversos campos, desde educação até saúde, perceberam os benefícios exclusivos deste tipo de diagrama.

Fundamento teórico

Os mapas conceituais se baseiam na Teoria da Assimilação de Ausubel e na Teoria da Aprendizagem de Novak, que discutem como as pessoas aprendem novas informações incorporando novos conhecimentos aos conhecimentos que já possuem. Novak afirma:

"A aprendizagem significativa envolve a assimilação de novos conceitos e proposições em estruturas cognitivas existentes".

Através da aprendizagem significativa, discutida mais adiante, a integração de novos conceitos em nossa estrutura cognitiva de conhecimento ocorre através da ligação do novo conhecimento a conceitos já entendidos. Um mapa conceitual fornece uma demonstração visual dessas relações entre conceitos em nossa estrutura cognitiva. A origem dos mapas conceituais é baseada no construtivismo, que discute como as crianças constroem ativamente o conhecimento.

Fundamento fisiológico

As crianças adquirem conceitos desde o nascimento até três anos, à medida que começam a identificar rótulos ou símbolos para as regularidades que observam no mundo à sua volta. Este aprendizado precoce e autônomo é conhecido como o processo de aprendizagem da descoberta. A partir dos três anos de idade, começa o processo de aprendizagem de recebimento, em que novos significados são formados fazendo perguntas e compreendendo as relações entre conceitos antigos e novos - os conceitos não são definidos pela criança, mas descritos por outros e transferidos para ela.

Além de explorar esses dois processos de aprendizagem, Ausubel também diferencia aprendizagem mecânica de significativa. A aprendizagem mecânica ocorre quando há pouco ou nenhum conhecimento relevante para a nova informação que está sendo apresentada e nenhum compromisso interno para incorporar o conhecimento novo e existente. Como resultado, a informação é facilmente esquecida. A estrutura cognitiva não é aprimorada para esclarecer ideias defeituosas.

A aprendizagem significativa só pode ocorrer sob as seguintes três circunstâncias:

  1. O novo material apresentado deve ser claro e relacionável com o conhecimento prévio da pessoa que está aprendendo. Os mapas conceituais são úteis aqui, pois eles identificam conceitos gerais detidos pelo aluno que podem ser usados como base.

  2. A pessoa que está aprendendo precisa possuir conhecimento prévio relevante, especialmente ao tentar compreender conhecimentos detalhados e específicos em uma área.

  3. As duas primeiras condições podem ser controladas diretamente pelo instrutor. No entanto, a terceira não pode, uma vez que ela exige que a pessoa que está aprendendo escolha aprender de forma significativa. Em outras palavras, ela se esforça para assimilar informações novas e antigas, em vez de apenas memorizar.

A distinção entre aprendizado mecânico e significativo é um continuum, pois os indivíduos possuem diferentes quantidades de conhecimentos relevantes e diferentes níveis de motivação para a assimilação do conhecimento. A criatividade é um nível muito elevado de aprendizagem significativa neste continuum.

Memória de trabalho e de curto prazo são as mais importantes para obter conhecimento em memória de longo prazo. A informação é processada na memória de trabalho através da interação com o conhecimento na memória de longo prazo; no entanto, a memória de trabalho só pode processar um número pequeno de unidades de cada vez. No entanto, se estas unidades puderem ser agrupadas, elas serão muito facilmente memorizadas. Organizar grandes quantidades de informações requer repetição entre memória de trabalho e memória de longo prazo. O mapeamento conceitual é poderoso para o aprendizado significativo porque ele funciona como um template para ajudar a organizar e estruturar o conhecimento, mesmo que a estrutura seja construída peça a peça com pequenas unidades de conceitos e proposições interagentes. Este processo permite o uso do conhecimento em novos contextos e maior retenção. Além disso, pesquisas mostram que nosso cérebro prefere organizar informações na estrutura hierárquica característica do mapeamento conceitual.

Fundamento epistemológico

Epistemologia é o ramo da filosofia que lida com conhecimento e criação de novos conhecimentos. Há um consenso cada vez maior de que a criação de novos conhecimentos é um processo construtivo que envolve o nosso conhecimento e as nossas emoções. Novak acredita que a criação de novos conhecimentos é uma aprendizagem altamente significativa por pessoas com uma estrutura de conhecimento organizada sobre um determinado tópico e uma forte motivação para encontrar um novo significado.

Os mapas conceituais estão associados a teorias construtivistas de aprendizagem nas quais as pessoas que estão aprendendo são participantes ativos e não receptores passivos de conhecimento. As pessoas que estão aprendendo devem fazer um esforço para trazer novos significados para informações que já conhecem. Criar mapas conceituais é um processo criativo, pois conceitos e proposições são a base para o conhecimento em qualquer domínio.

Como criar um mapa conceitual

Aqui estão os passos básicos na criação de um mapa conceitual. Temos um artigo muito mais detalhado com instruções sobre como fazer um mapa conceitual passo a passo, se você estiver pronto para saber mais

  1. Identifique a questão central ou o tópico principal - pense no problema ou questão que você deseja que o mapa conceitual resolva. Essa ideia deve se conectar a todas as outras em seu mapa e orientará a estrutura hierárquica.

  2. Identifique todos os conceitos-chave que se relacionam à ideia principal que você identificou. Ordene-os com os conceitos mais gerais primeiro e os conceitos mais específicos por último. Esta lista é chamada de estacionamento.

  3. Crie um mapa conceitual preliminar ligando os conceitos. Lembre-se de adicionar palavras ou frases de ligação nas linhas para demonstrar como os conceitos estão relacionados.

  4. Adicione links cruzados para conectar conceitos em diferentes domínios.

  5. Revise continuamente seu mapa conceitual, conforme necessário.