PINGDOM_CANARY_STRING
Imagem de diagrama de fluxo de dados

Símbolos, tipos e dicas de diagramas de fluxo de dados

Tempo de leitura: cerca de 7 minutos

Publicado por: Joel Bangerter

As empresas dependem de sistemas e processos, e não conseguem operar sem eles. Praticamente todas as atividades de uma empresa envolvem algum tipo de sistema, seja um método de relacionar-se com contatos ou a forma como uma equipe interage com seus clientes. E quando se trata de sistemas e processos, a eficiência é fundamental. Em alguns casos, a economia de um ou dois minutos pode reduzir custos de forma significativa. Há inúmeras maneiras de analisar e melhorar a eficiência, no entanto, o diagrama de fluxo de dados está entre as mais importantes. 

 

Seja para melhorar um processo existente ou implementar um novo, um diagrama de fluxo de dados (DFD) facilita sua vida. No entanto, se essa é a primeira vez que você está criando um DFD, o início pode ser um pouco intimidador. Há muito para aprender: símbolos, notação, diagramas de diversos níveis e a própria criação do diagrama; portanto, não basta se familiarizar apenas com alguns exemplos para entender tudo. Se você não tem experiência com diagramas de fluxo de dados, este guia lhe ajudará.

O que é um diagrama de fluxo de dados?

Um diagrama de fluxo de dados mostra como as informações fluem por um processo ou sistema. Ele inclui entradas e saídas de dados, armazenamentos de dados e os diversos subprocessos pelos quais os dados passam. DFDs são criados com símbolos e notação padronizados para descrever vários tipos de entidades e suas relações. 

Diagramas de fluxo de dados representam, de forma visual, sistemas e processos que seriam difíceis de descrever em um formato de texto. Você pode usar esses diagramas para mapear um sistema existente e aprimorá-lo, ou para planejar um novo sistema visando sua implementação. Visualizar cada elemento facilita identificar ineficiências e produzir o melhor sistema possível. 

 

Leia nossa visão geral de diagramas de fluxo de dados completa para saber mais sobre as práticas recomendadas de criação de DFDs.

Diagramas de fluxo de dados físicos e lógicos

Antes de realmente criar seu diagrama de fluxo de dados é necessário determinar qual tipo atenderá melhor às suas necessidades: o DFD físico ou lógico. Se você não tem experiência com diagramas de fluxo de dados, não se preocupe, é fácil entender suas diferenças.

O diagrama de fluxo de dados lógico trata do que acontece em um determinado fluxo de informações: quais informações estão sendo transmitidas, quais entidades estão recebendo essas informações, quais processos gerais ocorrem etc. Os processos descritos em um DFD lógico são de atividades comerciais — o DFD lógico não entra em detalhes sobre os aspectos técnicos de um processo ou sistema. Funcionários não técnicos conseguem entender esses diagramas com facilidade.

diagrama de fluxo de dados lógico
Diagrama de fluxo de dados lógico (clique na imagem para modificar on-line)

O diagrama de fluxo de dados físico trata de como as coisas acontecem em um fluxo de informações. Esses diagramas especificam o software, o hardware, os arquivos e as pessoas envolvidos em um fluxo de informações. Um diagrama de fluxo de dados físico detalhado pode ajudar a desenvolver o código necessário para implementar um sistema de dados. 

diagrama de fluxo de dados físico
Diagrama de fluxo de dados físico (clique na imagem para modificar on-line)

 

Diagramas de fluxo de dados físicos e lógicos podem descrever o mesmo fluxo de informações. Juntos, eles fornecem mais detalhes do que se estivessem independentes. Ao decidir qual usar, tenha em mente que talvez você precise de ambos. 

Veja este guia sobre DFDs físicos e lógicos para mais informações

Níveis de diagramas de fluxo de dados

Diagramas de fluxo de dados também são categorizados por níveis. Começando com o mais básico, o nível 0, DFDs tornam-se cada vez mais complexos conforme o nível aumenta. Ao criar seu próprio diagrama de fluxo de dados, você precisará decidir qual será o nível do seu diagrama. 

DFDs de nível 0, também conhecidos como diagramas de contexto, são os diagramas de fluxo de dados mais básicos. Oferecem uma visão ampla, de fácil compreensão e com poucos detalhes. Diagramas de fluxo de dados de nível 0 mostram um único nó de processo e suas conexões com entidades externas. 

diagrama de fluxo de dados de nível 0
Modelo de diagrama de fluxo de dados de nível 0 (clique na imagem para modificar on-line)

 

DFDs de nível 1 também oferecem uma visão geral, no entanto, mostram mais detalhes do que o diagrama de contexto. Em um diagrama de fluxo de dados de nível 1, o nó de processo único do diagrama de contexto é dividido em subprocessos. Conforme esses processos são adicionados, o diagrama precisará de mais fluxos de dados e armazenamentos de dados para vinculá-los. 

diagrama de fluxo de dados de nível 1
Modelo de diagrama de fluxo de dados de nível 1 (clique na imagem para modificar on-line)

 

DFDs de nível 2+ simplesmente dividem processos em subprocessos mais detalhados. Teoricamente, DFDs poderiam ir além do nível 3, mas isso raramente acontece. Diagramas de fluxo de dados de nível 3 contêm detalhes suficientes, e geralmente não faz sentido dividi-los mais. 

 

diagrama de fluxo de dados de nível 2
Modelo de diagrama de fluxo de dados de nível 2 (clique na imagem para modificar on-line)

Símbolos e notação de diagramas de fluxo de dados

Dependendo da metodologia (Gane e Sarson x Yourdon e Coad), os símbolos de DFDs variam pouco. No entanto, as ideias básicas permanecem as mesmas. Existem quatro elementos básicos de um diagrama de fluxo de dados: processos, armazenamentos de dados, entidades externas e fluxos de dados. A imagem abaixo mostra as formas padrão para ambas as metodologias.

símbolos e notação de diagramas de fluxo de dados

 

Se você não souber como usar os símbolos, leia nosso guia de símbolos de DFDs.

Como criar um diagrama de fluxo de dados

Agora que você sabe mais sobre diagramas de fluxo de dados e como são categorizados, você já pode criar seu próprio DFD. O processo é dividido em 5 passos:

1. Identifique as principais entradas e saídas em seu sistema 

Praticamente todos os processos ou sistemas começam com a entrada de uma entidade externa e terminam com a saída de dados para outra entidade ou banco de dados. Identificar essas entradas e saídas fornece uma visão macro do seu sistema, e mostra as tarefas mais amplas que o sistema pode atingir. O restante do seu DFD será elaborado com esses elementos, portanto, é fundamental conhecê-los desde o início.

2. Crie um diagrama de contexto

Depois de identificar as principais entradas e saídas, fica fácil criar um diagrama de contexto. Desenhe um único nó de processo e conecte-o a entidades externas relacionadas. Esse nó representa o processo mais geral que as informações percorrem para irem da entrada à saída. 

O exemplo abaixo mostra como as informações fluem entre diversas entidades por uma comunidade on-line. Os dados fluem das entidades externas e para elas, representando as entradas e saídas. O nó central, a “comunidade on-line”, é o processo geral. 

3. Amplie o diagrama de contexto para um DFD de nível 1

O nó de processo único do diagrama de contexto não fornece muitas informações, portanto, é necessário dividi-lo em subprocessos. No diagrama de fluxo de dados de nível 1, você deve incluir diversos nós de processos, bancos de dados importantes e todas as entidades externas. Analise o fluxo de informações: onde as informações começam e o que precisa acontecer com elas antes de cada armazenamento de dados?

4. Amplie para um DFD de nível 2+

Para aprimorar os detalhes do diagrama de fluxo de dados, siga o mesmo processo do passo 3. Os processos em seu DFD de nível 1 podem ser divididos em subprocessos mais específicos. De novo, certifique-se de adicionar todos os armazenamentos de dados e fluxos necessários. Agora seu sistema deve estar bastante detalhado. Para ir além de um diagrama de fluxo de dados de nível 2, basta repetir esse processo, e pare ao atingir um nível satisfatório de detalhes.

5. Confirme que o diagrama final está preciso

Quando seu diagrama estiver completamente desenhado, reveja tudo do começo ao fim. Preste muita atenção ao fluxo de informações: ele faz sentido? Todos os armazenamentos de dados necessários estão incluídos? Analise o diagrama final para verificar se as pessoas conseguem entender como seu sistema funciona, e, antes de apresentá-lo, pergunte aos colegas se o diagrama está compreensível.

exemplo de diagrama de fluxo de dados
Exemplo de diagrama de fluxo de dados (clique na imagem para modificar on-line)

Compartilhe seu diagrama de fluxo de dados

Depois de finalizar o DFD, o próximo passo é compartilhá-lo. Você não criou o diagrama apenas para uso pessoal, portanto, compartilhe-o com colegas de equipe, seu chefe ou partes interessadas. Se você usa o Lucidchart para criar diagramas de fluxo de dados, você terá uma grande variedade de opções de compartilhamento à sua disposição. Diagramas podem ser enviados diretamente pelo Lucidchart, o que oferece ao destinatário acesso ao documento. Dependendo do cargo do destinatário, você pode conceder a ele/ela a permissão para editar ou enviar o diagrama somente com permissão para visualização. Com as abrangentes integrações do Lucidchart, você pode compartilhar diagramas em muitas outras plataformas, incluindo Google Workspace e Slack. 

Comece a usar nosso software de diagramas de fluxo de dados.

Saiba mais

Sobre o autor

Joel Bangerter is a rising sophomore studying English at Johns Hopkins University. He is working as a content marketing intern at Lucid Software for the summer. After work, Joel enjoys reading, camping, and spending time with his dog, Goosey.

Comece a diagramar com o Lucidchart hoje mesmo — gratuitamente!

Cadastre‐se gratuitamente

Bastante acessado

what does HR do

O que faz o RH? 11 responsabilidades importantes

Sobre o Lucidchart

O Lucidchart é o aplicativo de diagramação inteligente que capacita as equipes a esclarecer a complexidade, alinhar seus insights e construir o futuro, mais rapidamente. Com esta solução intuitiva baseada em nuvem, todos podem trabalhar visualmente e colaborar em tempo real enquanto criam fluxogramas, maquetes, diagramas UML e muito mais.

O Lucidchart é a alternativa on-line ao Visio mais conhecida e utilizada em mais de 180 países por milhões de usuários, desde gerentes de vendas para mapear organizações-alvo a diretores de TI para visualizar sua infraestrutura de rede.

Português
EnglishFrançaisDeutsch日本語PortuguêsEspañolNederlandsPусскийItaliano
PrivacidadeJurídico
© 2021 Lucid Software Inc.